Trabalhadores protestam em frente empresa Alma Viva, no Benedito Bentes.

 

Trabalhadores protestam em frente empresa Alma Viva, no Benedito Bentes.

 

Trabalhadores protestam em frente empresa Alva Viva, no Benedito Bentes

 

Desde o início da manhã desta sexta-feira (11), trabalhadores e ex-funcionários da empresa Alma Viva protestam em frente a unidade localizada no Benedito Bentes e fazem denúncias de diversas naturezas. Vestidos de preto, eles apontam irregularidades que vão desde a proibição de usar o banheiro no momento em que precisam, assédio moral e até a realização de uma assembleia do sindicato dos atendentes no ambiente de trabalho.

Pelo menos duas funcionárias foram demitidas enquanto a manifestação acontecia, por demonstrar insatisfação com a assembleia da categoria, que feita dentro do ambiente corporativo e sob os olhares dos supervisores, intimidava quem discordava das imposições feitas pela empresa. “Eles não aceitaram reajustar os salários para que a gente ganhe pelo menos um salário mínimo no final do mês e ainda perseguem quem não aceita”, denunciou Bruna Castro, 23 anos. Bruna foi demitida após quase três anos de trabalho.

Após receber várias denúncias e pedidos de ajuda de familiares de funcionários da empresa, o vereador Siderlane Mendonça (PSB) também esteve no local para prestar solidariedade aos manifestantes. “Eles não estão pedindo nada mais que o justo: respeito e o cumprimento das leis trabalhistas”, disse o vereador.

Emocionado, o pai de uma ex-funcionária contou que até hoje ela sofre emocionalmente por conta do que viveu dentro da empresa. “Finalmente vocês se mobilizaram. Esse local é uma senzala”, lamentou o idoso, que pediu para não ser identificado pela reportagem.

Enquanto o protesto acontecia, alguns funcionários tentaram entrar na assembleia para votar contra a proposta de não reajuste e foram impedidos. Dois supervisores da empresa transmitiam imagens pelo celular e permaneceram calados. Eles não quiseram falar pela empresa. A polícia foi acionada e esteve no local para negociar e acompanhou o protesto sem interferir.

Os manifestantes prometem se reunir novamente ainda nesta sexta, desta vez na unidade do conjunto Salvador Lyra, para continuarem protestando.

Fonte: Cada Minuto

 

Site Revista do Luiz