Consciência política. Fátima pêgo

Consciência Política

Fátima  Pêgo

A maioria dos eleitores imaginam que a política não tem nada a ver com a vida pessoal. É comum muito deles afirmarem que não se interessam por política e alguns chegam a dizer que detestam política.

A cada dois anos, somos convocados a votar. Quando acontecem eleições, todo brasileiro maior de 18 anos e menor de 70 anos, tem obrigação de votar.
Nas eleição os candidatos e seus partidos invadem a nossa vida, pela televisão, pelos jornais, nos outdoors, nas ruas, faixas etc.
Época em que os temas políticos aparecem nas conversas, nas discussões sobre os candidatos, nas piadas, nos debates pela televisão, nos telejornais, e até mesmo em discussões nas escolas.
E por termos memória curta... Acabam as eleições, esquecemos os politiqueiros e alguns políticos, isso não só no nosso cotidiano, mas também nos telejornais e imprensa escrita.
Será que Política é só ELEIÇÃO?
Acredito que não.
A política interfere em nossas vidas todos os dias.
Todas as leis e medidas, tomadas por aqueles que foram legitimamente eleitos, interferem direta ou indiretamente em nossa vida.
Desde os impostos que pagamos ao salário que recebemos, da nossa vida profissional a familiar tudo que vivemos é regido pelas leis e pelas decisões daqueles que nos governam.
Por isso nunca devemos dizer que somos apolíticos, pois todos os dias e o dia todo fazemos política inconscientes, mas fazemos.
Consciência política não é fazer política em época de eleição, ou seja, pedir votos, mas sim a maneira como devemos votar.
Pois o voto é mais que um dever é um direito adquirido e temos de ter consciência ao digitá-lo. Nunca votarmos induzidos pela mídia, mas sim com plena certeza de estarmos escolhendo o melhor.
Consciência política significa que devemos escolher atentamente o candidato que quisermos eleger e para escolhermos bem, depende de se observar diversos aspectos, como analisar as propostas concretas de um partido ou candidato e as informações que aparecem nos programas dos partidos. Devemos avaliar cada candidato, que setor ele mais representa, entender quais tarefas ele vai ter de cumprir no cargo para qual está se candidatando e procurar saber se ele está preparado para fazer isso.
Significa que precisamos participar o tempo todo, isto é, acompanhar acontecimentos, informar-se, debater, aprender, compreender e, é claro, manifestar-se e ouvir as pessoas.
Também não podemos votar por vantagens pessoais, fazendo com que os interesses de um indivíduo se sobressaiam aos interesses do Estado. Se votarmos pensando apenas em vantagens pessoais mesmo ganhando estaremos perdendo, mas se votarmos pensando num todo a sociedade inteira ganhará.
Devemos excluir esses políticos que nos oferecem de tudo por um voto. Esses são os verdadeiros POLITIQUEIROS como já dizia Rui Barbosa.
Devemos saber que nem todo político é igual.
Existem candidatos sérios, honestos e com propostas viáveis para a melhoria de qualidade de vida da população e da nação.
Nos cabe usar o nosso poder de análise e avaliação, utilizando o voto da melhor maneira, pois é o nosso voto que tem a força de mudar o Brasil.
Lembrem sempre que nós Somos Eleitores eles Estão: Governadores, Prefeitos, Vereadores, Senadores e Presidente.
E entre SER e ESTAR a diferença é enorme.
Digo sempre se nós tivermos consciência política, o Brasil só tem a ganhar!
Não podemos esquecer que Consciência é:
É o sentimento ou percepção do que se passa em nós;
A voz secreta da alma; - Senso de autocrítica, aprovando ou desaprovando nossas ações; - Senso de responsabilidade; - Honradez; - Retidão; - Sinceridade absoluta.
Política é uma arte, que, se bem empregada, poderá trazer muitos benefícios. Ciência dos fenômenos referentes ao Estado;
Ciência Política; - Sistema de regras respeitantes aos negócios públicos; - Arte de bem governar os povos.
Habilidade no trato das relações humanas, com vista à obtenção dos resultados desejados; - Maneira hábil de agir;
Portanto podemos concluir que hoje consciência e política não e

Site Revista do Luiz